HOME|EDITORIAL|Braços dados e em frente, mas sem recaídas!
Braços dados e em frente, mas sem recaídas!
Braços dados e em frente, mas sem recaídas!

Data: 23/02/2018

Amanhã a equipe do Fluminense entrará em campo, às 17h, na Arena Pantanal, pela 2ª rodada da Taça Rio. Do lado contrário estará o arquirrival, o Clube de Regatas do Flamengo.

É nítido que o nosso time está em evolução, que as peças começam a se encaixar. Da mesma forma que faz-se visível a imperiosa contratação de um camisa 9 de garantias, como a de um meia de criação e de um zagueiro com qualidade de passe.

A chegada do Diretor Executivo Paulo Autuori trouxe o equilíbrio que estava faltando ao nosso treinador Abel Braga que, infelizmente, diante da ineficácia dos profissionais anteriores, teve que mergulhar em pântanos que não lhe pertenciam.

O passo dado pela base de apoio à gestão do Presidente Pedro Abad com a unificação das candidaturas à presidência do Conselho Deliberativo, em torno do nome do Conselheiro Fernando Cesar Leite, foi um grande passo.

Cabe a este Observatório do Fluminense render as maiores homenagens à magnânima atitude do Benemérito Ricardo Lopes, repleta de nobreza, dignidade, grandeza e autoridade, ao retirar a sua candidatura em nome da UNIDADE que o Conselho Deliberativo tanto precisa.

Não pode este Observatório do Fluminense se omitir. É preciso ser justo e transparente na hora de parabenizar o Vice-Presidente de Esportes Olímpicos, Marcio Trindade. Partiu dele o grande aceno com relação ao acordo final.

Da mesma forma que devemos saudar a chegada do Grande Benemérito Argeu Affonso que ocupará a vice-presidência do Conselho Deliberativo. Além de um currículo invejável, trará experiência e equação ao conteúdo desejado.

Que fecunde o exemplo das bases do Conselho Deliberativo para o interior do Conselho Diretor. Sem vitimismos, sem a terceirização das culpas, mas com a escolha da transparência como aliada na execução perfeita do que realmente seja uma gestão compartilhada.

Assim espera este Observatório do Fluminense na certeza de que está cumprindo a sua parte.

Mas caberá ao Presidente Pedro Abad um maior equilíbrio na tomada de decisões, onde as participações sejam pré-estabelecidas desde a sua origem.

Este Observatório do Fluminense reafirma o seu apoio irrestrito ao Vice-Presidente Geral, Cacá Cardoso, ao Vice-Presidente de Finanças, Diogo Bueno, ao Vice-Presidente de Governança, Sandor Hagen, e ao futuro Vice-Presidente de Interesses Legais, Miguel Pachá. São representantes da nossa linha de pensamento, assim como são lideranças do Grupo Unido e Forte. 

Isso tem somente uma leitura: os nossos quadros, qualificados, sempre estarão à disposição do que for melhor para o Fluminense. Cabe ao grande maestro saber interpretar da melhor maneira possível a partitura.

Queremos acreditar, mas é preciso que sejamos escutados e ouvidos. Não aceitamos nenhuma forma de direção que arrisque ser similar, em tomadas de decisões, à gestão do ex-Presidente Peter Siemsen.

Tampouco negociaremos o roteiro do caminho que desejamos percorrer. Ser gestor é o primeiro passo para fazer gestão.

E tanto os membros do Unido e Forte, assim como os nossos representantes no Conselho Diretor, querem fazer gestão em alto nível.

A UNIDADE nos faz contemporizar por momentos, deixando claro que não vamos nos desviar nem um milímetro da nossa luta em prol da perenidade do clube.

Da mesma forma que explicitamos o nosso descontentamento com algumas presenças em torno do Presidente do clube, que já sabe fartamente ou pelo menos deveria enxergar o alto nível de insatisfação e descontentamento para com alguns profissionais que o cercam.

Por último, pede este Observatório do Fluminense que o futuro Presidente do Conselho Deliberativo, Fernando Cesar, trilhe um caminho de luz na consecução das transformações necessárias que cabem ao órgão mais importante do clube.

Que venha o Flamengo!

O Observatório do Fluminense sabe que “a bola não entra por acaso!”.

Compartilhe
  • Googlemais
comente
©2017 OBSERVATÓRIO DO FLUMINENSE
Os Woden