HOME|EM FOCO|Eduardo de Moraes|Nem de graça! (por Eduardo de Moraes - “A voz das Laranjeiras”)
  • Eduardo de Moraes
    Eduardo de Moraes
    Eduardo de Moraes é advogado criminal, tricolor de várias gerações, iniciando sua paixão nas arquibancadas das Laranjeiras sempre na companhia do seu saudoso pai, Evaristo de Moraes. Integrante do Flu2050, ocupou, nas gestões anteriores, cargos como Vice-Presidente e Diretor Jurídico.
Ver mais colunas
Distribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e Descartáveis
em foco • Por Eduardo de Moraes • 25 jul 2017
Nem de graça! (por Eduardo de Moraes - “A voz das Laranjeiras”)

A situação é preocupante: em pleno domingo, linda camisa nova estreando, promoção, talvez inédita, - sócio-torcedor não paga. Grátis. Público tricolor: aproximadamente 17 mil pessoas. Pouco, pouquíssimo.

Há algo de errado. É sintomático. Não é possível tapar mais o sol com a peneira. Ocultar ou se afastar da verdade. Toda promoção é válida. Mas a solução não está aí. Torcedor quer ir ao estádio assistir ao espetáculo do seu clube de coração. Dribles, emoção, alegria. Ter aquela expectativa de gritar gol, pular, cantar, comemorar a vitória. Torcedor não quer algo grátis que irá custar sofrimento, aborrecimento, dor. Estou sendo claro? Difícil compreender?

Voltando à realidade tricolor, não queremos mais comemorar empate contra o Cruzeiro. Ou achar que perdemos de pouco, jogando bem, contra o líder do campeonato. Não, não e não. Somos vencedores. Sempre fomos. Acostumados a títulos, a ídolos. Relacionaria vários craques, mas não quero me distanciar do hoje.

Para muitos que não comparecem ao estádio, falta o estímulo de prestigiar um time sub-20, em que alguns já jogam de sapato alto (vocês sabem quem), e os veteranos entregam, sempre, o ouro ao bandido nos cruzamentos contra o nosso gol. Para muitos que não comparecem ao estádio, falta estímulo de ir ver uma equipe equilibrada, tentando se superar, sendo que os raros talentos estão aos poucos saindo para sanear as dívidas. Qual o desejo de ir ao estádio sabendo que o nosso mandatário está se desfazendo dos jovens valores? Torcedor não quer saber de sanear dívida. Torcedor não quer saber se sabia ou não sabia do rombo. Quem vai ao estádio está pouco se lixando se o “Lula” sabia ou não sabia. Queremos saber de gol, de craques, de vitórias, de chance de título. Não pedimos migalha. Não desejamos ir grátis à sessão de sofrimento, à sessão tortura. Não somos Portuguesa. Somos Fluminense Football Club.

E não transfiram a culpa ao torcedor. Futebol é paixão. E sobre a questão do “grátis”, importante fazer uma pesquisa. Nossa torcida é inteligente, qualitativa, não quantitativa. Se colocar time bom, mesclando jovens e outros jogadores tarimbados, se doando em campo, a torcida comparecerá. Aposto. Já temos um excelente comandante no futebol (Abel). Talvez falte coragem ao comandante administrativo. Ouse. Todos estão endividados. Ouse. Falam que o senhor presidente é burocrata. Talvez sim pelo histórico profissional que todos conhecem. Mas busque apoio dos tricolores com experiência em administração. Humildade e ousadia. Contrate. Contratações cirúrgicas. Das crises que surgem os vencedores.

Busque alternativas, desenvolva a criatividade, use o diálogo para chegar a um acordo com Marquinho, Gum, Pierre e até mesmo Cavalieri. Tente, ao menos, negociar a multa rescisória e rescindir. O Vasco fez melhor: dispensou sem qualquer ônus Muriqui e trouxe um zagueiro de que necessitamos. O São Paulo está endividado e trouxe o seu ídolo Hernanes. Resultado: ontem, público de 51 mil pessoas. Jogador bom chama público bom. Não adianta insistir no discurso de que estamos quase falidos. Isso afasta investidor, patrocinador. É o momento de pensar também no nosso preparador de goleiros. E incluo o preparador físico. Também não senti, ainda, atuação efetiva do Torres. A proposta, desde o início, era profissionalizar. Vamos manter esse objetivo.

Sobre o jogo, foi equilibrado, mas deu-me a impressão de que o Corinthians estava com a partida sob controle. A organização e o grau de confiança deles impressionam. Além da movimentação. Quem pede tem preferência. Time bem ajeitado, sem craque. Jogam por uma bola. E, domingo, mais uma vez, no cruzamento, nossa defesa entregou a bola almejada. E grátis (já que o assunto é esse). Escrevo sempre isso: vamos treinar cruzamento. No ataque e na defesa. Nossos cruzamentos quando atacamos são horrorosos. Scarpa tem que treinar mais. Renato não precisa treinar. Tem que sair do clube. E Léo é o “rei” da lateral. Lamentável. E na defesa é o show dos horrores. Frazan entrou bem. Todavia, perdemos, novamente, com um gol de cabeça.

No meio, deu uma melhorada, ficamos mais compactados, diminuindo os espaços. Só que Orejuela precisa recuperar o futebol que esqueceu lá no início do ano (ele só passa para trás), Wendel merece uma chamada para cair na real (rapaz, você ainda é um projeto de craque, volte a usar a chuteira) e o Scarpa é um grande mistério (mas não temos ninguém para substituí-lo. Robert? Não confio).

Ontem, constatei que o Grêmio (joga parecido com o Corinthians) é muito organizado. Não dá chutão, joga para frente, faz triangulações. Raramente, cruza. Passa para o atleta que chega à área e é sempre lance de perigo. Isso tudo somado à confiança. Nós: chutão, passes para trás e carecemos sempre do companheiro se oferecendo para ajudar. E é só cruzamento (errado). O Grêmio joga sem centroavante pesadão fixo. Time envolvente (parabéns para o Renato Gaúcho).

Voltando ao Flu, o time melhorou. Todavia, Diretoria, tente um bom zagueiro e um volante de qualidade (estou sendo econômico).

Dois jogos fora de casa: Ponte e Sport. Se perdermos, provavelmente estaremos na zona de rebaixamento. Nós, torcedores tricolores, não merecemos essa desconfortável e traumatizante posição. Apesar de ser... Grátis!

 

VOLTAR PARA EM FOCO
Compartilhe
  • Googlemais
comente
Lucio - 26/07/2017 às 10h50
Nobre Eduardo,

Discordo de um trecho muito importante de seu texto:
"Torcedor não quer saber de sanear dívida. Torcedor não quer saber se sabia ou não sabia do rombo. Quem vai ao estádio está pouco se lixando se o “Lula” sabia ou não sabia. Queremos saber de gol, de craques, de vitórias, de chance de título."

Se pararmos para refletir um pouco, será por essa mentalidade que o Estado do Rio está falido? Será por isso que o país passa por um dos piores momentos de sua história e os governantes só querem gastar mais para se perpetuar no poder?

Dinheiro não nasce em árvore e um dia a conta chega. Em outras épocas o Fluminense já teria contratado o Conca que está encostado no Flamengo.....Será que iria resolver? Será que o resultado no futuro seria o mesmo que a nossa antiga patrocinadora está vivendo?
MAS......o estádio estaria cheio! Será que isso é o fundamental agora?

Concordo que muitas ações até sem custos poderiam ser tomadas para melhorar o clube.
Concordo que devemos ter grandes objetivos.
Mas também precisamos ter pé no chão e não repetir os mesmos erros que vemos nos governantes do nosso país.

Saudações tricolores
Responder
Marcelo Fernandes - 25/07/2017 às 17h36
muito bom melhor do que todos os outros comentaristas bate na tecla certa: não temos laterais, Scarpa tá uma merda, Marlon Freitas e os Matheus tb não prestam, precisamos de 4/5 jogadores. Abel não tem culpa, precisa de jogador. Falei hoje sobre o departamento médico e a preparação física: ambos nota 3 de 0 a 10. Fui estagiário do seu pai e vc foi comigo ao forum criminal, uma ou duas vezes. Ele sentiria orgulho do seu amor ao Fluminense e da sua escrita, escreve muito bem. Voltando ao Fluminense, a Diretoria não presta e só não tenho receio do rebaixamento por que 2 já foram - Atlético/GO e Vitória -, o Coritiba tá quase lá e, por incrível que pareça, ainda tem umas 3 bostas piores do que nosso time. ST
Responder
Distribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e Descartáveis
©2017 OBSERVATÓRIO DO FLUMINENSE
Os Woden