HOME|EM FOCO|Marcello Luna|Tenho senso crítico (por Marcello Luna - “Fluminense. A nossa maior paixão”)
  • Marcello Luna
    Marcello Luna
    O advogado Marcello Luna, morador do Leme, pai dos tricolores Ygor e João Pedro, afirma que o Fluminense é grande demais para que se permita pensar diferente
Ver mais colunas
Distribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e Descartáveis
em foco • Por Marcello Luna • 26 set 2017
Tenho senso crítico (por Marcello Luna - “Fluminense. A nossa maior paixão”)

Prezados,
 
Estão todos cobrando do Abel Braga uma responsabilidade que não é exclusivamente dele que, por sua vez, está tendo que fazer uma limonada para 22 pessoas, valendo-se apenas de um mísero limão seco.
 
Não podemos nos esquecer de que a equipe é muito jovem e pouco cascuda, instável mesmo, razão pela qual a nossa campanha no campeonato brasileiro vem sendo pífia. E assim digo sem querer eximir o treinador de qualquer erro, mesmo porque é inegável que o mesmo vem cometendo equívocos, tanto nas escalações, quanto nas substituições.
 
Voltando às cobranças, temos, sim, como medida de justiça, que, objetivamente, responsabilizar aquele que entregou o clube à gestão atual em condição de terra arrasada, de pires na mão, sem qualquer recurso que pudesse permitir a contratação de reforços significativos.
 
A nova gestão merece ser responsabilizada, sem qualquer sombra de dúvida, pois sabia perfeitamente o que o mandatário antecessor fizera à frente do Fluminense e mesmo assim, no decorrer da campanha à presidência, transmitiu a falsa imagem da estabilidade financeira, das dívidas equacionadas e por aí adiante. E, como se não bastasse, na busca pelos votos, prometeu a todos nós um time em condições de competir no topo da tabela e em todas as frentes possíveis. 
 
A partir de 1º/01/2017, entretanto, nós, desavisados torcedores, acordamos com a dura realidade de um clube falido, endividado e sem qualquer centavo em caixa, o que nos levou a depender da inegável competência profissional do nosso Vice-Presidente de Finanças, sem dúvida alguma, hoje, um dos grandes nomes da atual gestão.
 
Prosseguindo, no início de Janeiro/2017, nos deparamos com triste fato de que teríamos que nos agarrar ao pelo pubiano de uma mosca qualquer como se cipó fosse, a fim de não cairmos para a segunda divisão, entrando, verdade seja dita, no brasileirão com a árdua missão de fugir do Z4. 
 
O principal grupo de apoio da atual gestão precisa entender que somos grandes demais para nos submetermos a um novo rebaixamento, não podendo esse mesmo grupo se esquecer de que foi também diretamente responsável pela nossa queda em 2013, quando o nosso mandatário era o Peter Siensem.
 
O Fluminense possui uma história secular e é exatamente por isso que esse mesmo Fluminense não pode servir de laboratório para os neófitos, para os de pouca experiência e pouquíssima história dentro do clube, razão pela qual todos nós devemos abrir o quanto antes os olhos, uma vez que estamos bem perto do portão do inferno.
 
 Para agravar a nossa situação, contamos com uma oposição que pouco contribui para o debate, ao reverso, na medida em que perde o tempo com discussão estéril, sem profundidade e com discursos histriônicos, com a falta de fundamentação  sendo sempre a tônica do período.
 
Sem querer ser pedante, falta à oposição de hoje visão, capacidade de análise e, inclusive, um melhor preparo.
 
Retornando ao Fluminense propriamente dito, é importante que fique registrado que, inobstante o apoio dado à chapa Abad/Cacá, não tenho qualquer compromisso de validar toda e qualquer ação que tenha sido ou que venha a ser praticada pela atual gestão.
 
O meu compromisso resume-se a ajudar a atual gestão naquilo em que eu puder ajudar, em que eu puder ser efetivamente útil, em decorrência de ser eu, acima de tudo, um apaixonado tricolor de coração.
 
O insucesso da atual gestão será o meu fracasso, assim como o fracasso da gestão Peter, vide o rebaixamento de 2013 e a derrocada financeira constatada recentemente, foi o meu insucesso também, apesar de ter me colocado sempre em oposição àquela diretoria.
 
Tenho senso crítico e não abro mão de exercitá-lo sempre que eu achar necessário, o que me leva a dizer que não esperem de mim subserviência, mas apenas consciência.
 
Tenho a consciência de que administrar um clube com as nossas proporções, em estado de penúria, é uma missão árdua que, em nome da razoabilidade, não pode se resumir apenas na luta para manter a contabilidade em dia.
 
A atual gestão precisa se preocupar e muito como o nosso futebol, razão essencial da nossa existência.
 
A nossa torcida está, sim, temerosa com a possibilidade de um rebaixamento.
 
Quem frequenta a arquibancada sabe disso perfeitamente.
 
Desde os mais novos até os mais velhos.
 
E isso já vem sendo sinalizado faz algum tempo. E antes mesmo da torcida se manifestar nesse sentido, a nossa diretoria já deveria ter-se atentado quanto a Nossa essa possibilidade, não tão remota mais, porquanto é dever do gestor pensar adiante, antevendo situações, prevenindo-se cautelosamente.
 
Prestem bem atenção: se batermos no portão do inferno, o mesmo se abrirá para nós e de lá não sairemos por falta de condições de reação. E se descermos as escadarias do inferno, a nossa torcida será injustiçada, a garotada de Xerém sairá do embate com um indelével marca em suas tenras carreiras e Abel Braga, apesar de tudo o que fez pelo Fluminense e de não  merecer esse infortúnio, será penalizado, após um trágico acidente familiar.
 
A nossa maior paixão não merece ser, uma vez mais, vítima voluntária.
 
Encerrando, tenho a certeza de que a atual gestão está envidando todos os esforços para que o Fluminense saia dessa situação incômoda e para tanto é fato de que está a precisar contar com o apoio de todos nós, o que seria bem mais fácil se tivesse, em passado muito recente, não apenas passado para todos nós a real situação do Fluminense, bem como se não tivesse lutado tanto, mesmo que incoerentemente, para aprovar as contas da gestão que a antecedeu.
 
Meu avô dizia que é melhor ficar 5 minutos vermelho de vergonha do que o ficar o resto amarelado pelo descrédito.
 
Saudações Tricolores!  
 
Marcello Luna

VOLTAR PARA EM FOCO
Compartilhe
  • Googlemais
comente
Marcelo Fernandes - 26/09/2017 às 19h02
CADÊ OS SALÁRIOS ATRASADOS ? CADÊ MASCARENHAS ? PQ SORNOZA NÃO É TITULAR ? PQ CAVALIERI, ÍDOLO DO CLUBE, ESTÁ SENDO HUMILHADO DESSA FORMA ? NOGUEIRA E FRASAN SÃO ZAGUEIROS DE SÉRIE C, CD GUM, CD HENRIQUE ? PQ MARQUINHOS JÁ NÃO FOI VENDIDO OU DADO ? E PIERRE ? TÁ TUDO ERRADO.........
Responder
Distribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e Descartáveis
©2017 OBSERVATÓRIO DO FLUMINENSE
Os Woden