HOME|EM FOCO|Eduardo de Moraes|Escalar o Orejuela pune (por Eduardo de Moraes - “A voz das Laranjeiras”)
  • Eduardo de Moraes
    Eduardo de Moraes
    Eduardo de Moraes é advogado criminal, tricolor de várias gerações, iniciando sua paixão nas arquibancadas das Laranjeiras sempre na companhia do seu saudoso pai, Evaristo de Moraes. Integrante do Flu2050, ocupou, nas gestões anteriores, cargos como Vice-Presidente e Diretor Jurídico.
Ver mais colunas
Distribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e Descartáveis
em foco • Por Eduardo de Moraes • 26 out 2017
Escalar o Orejuela pune (por Eduardo de Moraes - “A voz das Laranjeiras”)

Óbvio que não temos que trocar o treinador, mas Abel nos surpreende. Contra a Chapecoense escalou três volantes. Ontem, Orejuela.

Escalar o horroroso e ineficiente Orejuela. O que é isso? Do nada? Ressuscitar o morto equatoriano no clássico? Sério isso? Como eu disse na última coluna, Abel consegue regredir. O Fluminense não pode ser laboratório dele. Alquimista, no Fla x Flu e nessa reta final do Brasileiro. Não!

Só aceitaria a não escalação do Wendel e a opção pelo horroroso e ineficiente Orejuela, caso, novamente, estivesse Wendel na night ou com Adriano Imperador. E mesmo assim, sendo essa a hipótese, deveria afastar o menino prodígio e não colocá-lo no banco.

Mas pela entrevista do Abel, foi opção tática. Como assim? Colocou o horroroso e ineficiente Orejuela para chupar nosso sangue e dos demais jogadores? Para acompanhar o Arão? Como? Vocês sabem como foi o gol deles? Quem foi essencial, no deslocamento, na hora do gol? Ganha um doce quem acertar...

Espero que, antes que o ano acabe logo e que o Flu não caia para a Segunda Divisão, que o Abel nos leia e nos ouça. Nós, torcedores tricolores, somos muito inteligentes. Não nos ouvir é um desperdício.

Podemos reverter o placar. Mas somos vítimas da imprevisibilidade. Quem sabe no próximo jogo ele não escalará Leo, Orejuela, Romarinho e Pedro. Esqueci do Nogueira. Olha que timaço.

Continuo no meu papel de convocar a torcida para a reta final do Brasileiro. Não podemos cair. Nosso grito faz gol, independentemente da escalação e do treinador. Quem irá cair é o nosso Fluminense. Não será Orejuela, Marquinho, Pedro ou Nogueira. Será o nosso Fluminense. Eles passam. O nosso Tricolor não.

Finalizo esse texto curto com o feliz comentário de um jornalista da SporTV: o Fluminense parece um time de rugby. Dá três passes para frente e depois um para trás. Esse é o nosso time. Esse é o nosso “treinamento”.

Dias melhores virão. Ano que vem, Abel, faça o fácil. Partir pra cima do Bahia no domingo e do Flamengo na quarta. E não esqueça: é futebol e não rugby!

 

VOLTAR PARA EM FOCO
Compartilhe
  • Googlemais
comente
Antônio Paulo Sodré de Souza - 28/10/2017 às 09h01
Verídico e sensato o Comentário de Eduardo de Moraes falou tudo corretamente, não acrescento nenhuma vírgula. Parabéns!!!!!!!!!!!!!! Este és um verdadeiro Tricolor, o quanto eu!!!!!!!!
Responder
Distribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e Descartáveis
©2017 OBSERVATÓRIO DO FLUMINENSE
Os Woden