HOME|EM FOCO|Thiago D’Aguiar|O berço do futebol brasileiro (por Thiago D'Aguiar -
  • Thiago D’Aguiar
    Thiago D’Aguiar
    Administrador formado pela Universidade Veiga de Almeida, pai do Gabriel, marido da Nathália, amante de samba, pagode, carnaval e futebol. E, é claro, muito apaixonado pelo Fluminense!
Ver mais colunas
Distribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e Descartáveis
em foco • Por Thiago D’Aguiar • 20 fev 2018
O berço do futebol brasileiro (por Thiago D'Aguiar -

Guerreiros,

Laranjeiras, berço histórico do futebol nacional, foi inaugurado em 1919. Ano que vem completará seu primeiro centenário.

Quem vos escreve nasceu em 1984 e, desde 1986, frequentou as arquibancadas do tradicional estádio, estando presente, inclusive, no último jogo em 2003.

Mais de uma década se passou e nada fizeram lá. Nada mesmo! Não ampliaram e, muito menos, cuidaram.

Nossa casa está entregue à própria sorte desde seu fechamento.

Como tenho saudades das tardes e noites que lá vivi, repleto de emoção e alegria. A cada jogo, você sentia a arquibancada pulsar; a sinergia entre torcida, time e estádio fazia o adversário tremer.

Desde o encerramento das partidas oficiais no Laranjal, viramos dependentes de Maracanã e, posteriormente, do nosso salão de festas, Engenhão. Quando ambos estavam fechados, recorremos ao Raulino de Oliveira, em Volta Redonda.

Só que o Maracanã já se mostrou ser financeiramente inviável nos dias atuais, o Engenhão passou um bom período fechado para manutenção corretiva em sua estrutura e, por fim, o Raulino de Oliveira se mostrou um estádio que não caiu nas graças da torcida, uma vez que as arquibancadas viviam vazias.

Posteriormente, viemos a mandar jogos no Moacyrzão, em Macaé. E, mais recentemente, Giulite Coutinho (Edson Passos), Moça Bonita (Bangu) e Los Larios (Xerém).

Destes últimos, no Giulite Coutinho o Fluminense ainda investiu alguns poucos milhões de reais para dar condições de jogo ao estádio do América.

Agora leio que há a possibilidade de fazer-se uma parceria com o Bangu por Moça Bonita. Pergunto: que tipo de parceria seria essa? Teríamos que desembolsar mais alguns milhares de reais para deixar o estádio do Bangu apto a receber jogos noturnos?

Honestamente, espero que o que o nosso CEO, Marcus Vinicius Freire, disse em sua entrevista a respeito de Laranjeiras se concretize: a reforma da nossa casa.

É impossível continuar a crer que prefiram gastar dinheiro em reforma nos estádios dos outros do que na nossa própria casa.

Se em Los Larios jogamos para menos de mil torcedores e temos tanto prejuízo financeiro quanto técnico, por que não jogar em Laranjeiras e diminuir as chances de obter prejuízo financeiro ou, pelo menos, diminuí-lo por jogo?

Aí dirão que existem empecilhos para reformar o estádio.

Desculpem-me mas quem quer faz acontecer.

Que se faça um estudo de viabilidade, veja-se o que dá e não dá para ajustar, onde precisará mexer, se cabe ampliar etc. O que não dá é gastar o dinheiro para reformar a casa dos outros. Já que nossa grana é curta, que a gastemos conosco!

A nossa torcida clama pela volta dos jogos às Laranjeiras. Ela já está cansada dessa vida cigana de mandar jogo aqui e acolá.

Que façam um esforço sobrenatural para trazer os jogos oficiais novamente para as Laranjeiras.

Tenham a certeza que isto não será um gasto, mas um investimento. Ganharemos técnica e financeiramente.

Acredito fielmente que a volta das Laranjeiras impulsionará a adesão de novos sócios torcedores. Pode-se criar uma outra modalidade associativa, assim como foi feito com o CT. Creio que dará até mais certo por se tratar da nossa casa.

Quero ver, novamente, o caldeirão ferver, o chão tremer, a nossa arquibancada pulsar, a ligação entre time/torcida/estádio botar os adversários tremendo e respeitando as três cores que traduzem tradição.

Quero poder levar meu filho, que hoje só tem dois anos, às Laranjeiras para sentir a mesma emoção que lá já tive, festejar os títulos conquistados como já comemorei por lá.

Somente peço isso: deixemos de olhar para o lado e passemos a olhar para dentro de nós, para o que é nosso.

E Laranjeiras é histórica, é vitoriosa, é nossa!

Saudações Tricolores.

 

 

VOLTAR PARA EM FOCO
Compartilhe
  • Googlemais
comente
Silvio Ramos - 26/02/2018 às 07h51
Concordo plenamente
Responder
José Arimatéa carvalho - 22/02/2018 às 07h53
Em vez de gastar uma grana. Forte em estádio de outros porque não reforma as Laranjeira nosso estádio.
Responder
Distribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e Descartáveis
©2017 OBSERVATÓRIO DO FLUMINENSE
Os Woden