HOME|EM FOCO|Eduardo de Moraes|Temos que contratar e Abel parar de errar (por Eduardo de Moraes - "A voz das Laranjeiras")
  • Eduardo de Moraes
    Eduardo de Moraes
    Eduardo de Moraes é advogado criminal, tricolor de várias gerações, iniciando sua paixão nas arquibancadas das Laranjeiras sempre na companhia do seu saudoso pai, Evaristo de Moraes. Integrante do Flu2050, ocupou, nas gestões anteriores, cargos como Vice-Presidente e Diretor Jurídico.
Ver mais colunas
Distribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e Descartáveis
em foco • Por Eduardo de Moraes • 02 mar 2018
Temos que contratar e Abel parar de errar (por Eduardo de Moraes - "A voz das Laranjeiras")

Assisti apenas ao segundo tempo, pois retornava de viagem.

Abel ontem nos surpreendeu. É raro um técnico ganhar jogo, mas perder a partida é comum. E foi o que aconteceu ontem. Avaí 2 x 1 Abel (sem exageros).

A substituição de ontem, tirando o Sornoza – nosso maestro, craque, armador e disparado o mais lúcido do time – e colocando um volante, foi insana. O jogo estava empatado (1 x 1) e creio que, naturalmente, faríamos o segundo gol, não obstante a valente e bem organizada equipe catarinense. Já seria um absurdo sacar o nosso 10 e colocar um cabeça de área naquelas circunstâncias, quando atuávamos em casa e a partida empatada. Mas tirar o Sornoza (logo o Sornoza) e colocar Marlon Freitas (quem?), trouxe-nos a insegurança. O que virá no futuro?

Os deuses do futebol não perdoam. No primeiro lance de Marlon, o rapaz entrega o ouro. Derrota.

Para deixar-nos mais preocupado, não vi, na entrevista coletiva, a humildade e a consciência em admitir o (grave) erro. Um pedido de desculpas e um mea culpa me fariam dormir mais tranquilo. Enfim, vou continuar dando crédito ao Abelão. Nosso líder. Teve a inteligência de mudar do ano passado para o atual o nosso estilo de jogo. Com três zagueiros, adotamos o toque de bola e a movimentação. Abortamos o “jogo chuveirinho” em que os protagonistas eram os traíras Scarpa e Henrique Dourado.

Abel precisa ouvir a nossa torcida. A mais inteligente do Brasil. Eu diria do mundo. Quando Marlon Freitas foi chamado pelo treinador, a torcida vaiou. Quando levantou a placa substituindo Sornoza, a torcida enlouqueceu. Gostaria de ter o controle remoto para comandar a mente de Abel. Ao cogitar tirar o nosso maestro, eu daria um pause naquele pensamento maligno. Não substituiria ninguém. E, em seguida, apertava o play. Segue o jogo e a vitória viria.

Ontem, o time criou chances. Foi menos organizado em relação às partidas anteriores. Nosso sistema defensivo continua frágil. No primeiro gol, Ibañez não acompanhou e percebi, no segundo tempo, lentidão desse jovem zagueiro na marcação e saídas de bola equivocadas. Ele parece ter potencial. Vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos.

Já para a próxima partida eu escalaria o lateral esquerdo Ayrton. Antes da lesão, era o melhor da equipe. Dentro do meu costumeiro otimismo, está surgindo o novo Marcelo. Ayrton já! Gilberto não rendeu ontem. Acontece. E quem mais me preocupa é o Pedro. Como disse nas colunas anteriores, eu acompanho os juniores. Pedro era artilheiro nato. Mas não vem rendendo (ainda) nos profissionais. Para não queimar o jovem, tem que contratar logo um atacante (gosto do uruguaio Aguirre, cujo interesse por ele vem sendo veiculado na imprensa) e deixar o Pedro amadurecer no banco.

Já li comentários que o time jogou de sapato alto. Seria muita burrice desses jovens atletas, que nada conquistaram, jogarem dessa forma. Não acredito. Vamos manter os pés no chão. Apenas goleamos uma escola de samba (Salgueiro), um presídio (Bangu) e um bairro populoso (Flamengo).

Importante, após essa derrota, nos protegermos dos politiqueiros de plantão. Poderão querer tumultuar o ambiente. Esses abutres tricolores torcem contra. Tenho certeza de que não comemoraram quando goleamos os mulambos. Aspiram cargos nas próximas eleições. As críticas à gestão são essenciais, salutares. Todavia, tumultuar o ambiente e fazer discursinhos em redes sociais sentando o pau nas derrotas, é sabotagem. Em várias colunas anteriores, já fiz duras críticas ao Abad. Exigi a profissionalização do futebol e a gestão moderna compartilhada, se cercando de pessoas com experiência em administrar. Precisamos ser humildes. Não somos os donos da verdade. Depois de sucessivos equívocos, o nosso gestor contratou Paulo Autuori para o Futebol e, na semana passada, assumiu a Vice-Presidência Jurídica o ótimo, sério e combativo advogado Miguel Pachá. Falta qualificar a Comunicação. Falta, também, interagir as Vice-Presidências: entrosamento entre Futebol, Finanças e Jurídico. Faça isso que daremos um salto gigantesco.

Por fim, um pedido desesperado representando os tricolores em Toda Terra: Abad, contrata logo. Coragem, rapaz. Se você pensar novamente duas vezes, não dará certo. A sua escolha de gerir uma pessoa jurídica (a mais especial do mundo) exige ousadia, audácia, iniciativa e firmeza. Essa lentidão nas contratações traz-me a saudade do eterno presidente Francisco Horta, que, numa única ida para São Paulo, trouxe o craque Rivelino. Saudade também do Manuel Schwartz. Trio “A” (Abad, Autuori, Abel), estou junto com vocês. Mas contratem logo: um zagueiro; um meio de campo (craque) para dividir a responsabilidade com Sornoza e um atacante (Aguirre?).

É o momento de escolher. Ou ficar satisfeito com uma futura campanha pífia no Campeonato Brasileiro, tentando fugir do rebaixamento, ou encorpar nosso elenco, qualificando-o, e colocando o Fluminense no lugar onde sempre deveria estar: no topo.

 

Deixadinhas:

- Parabenizo o amigo e grande tricolor Fernando Leite pela presidência do Conselho Deliberativo. Vamos aperfeiçoar e modernizar o Estatuto;

- Amigos, não vamos queimar o jovem Marlon Freitas. Seria uma covardia. Ele errou, mas Abel errou mais;

- Agora na Copa do Brasil, gol fora de casa não vale mais. Ou seja, se vencermos por 1 x 0, a partida irá para os pênaltis. Se ganharmos por dois gols de diferença, a vaga é nossa. Raça e classificação;

- Torcedores tricolores brigando entre si? Vamos economizar nossa energia com os rivais. Dentro do campo e incentivando;

- Repito: contem comigo no Projeto Laranjeiras. É a nossa história.

VOLTAR PARA EM FOCO
Compartilhe
  • Googlemais
comente
Paulo Sérgio - 03/03/2018 às 09h59
Não concordo. Se tivesse havido a vitória, todos estariam comemorando como já houve por diversas vezes!!!! Mas quem nunca errou na vida? Tudo que foi feito foi em prol de um bom resultado. Abraços e bom final de semana
Responder
Jose das Mercês de Souza - Itabira - MG - 02/03/2018 às 18h45
Realmente o "Abelão" bobeou! Sornoza, a não ser em caso de grave contusão não pode sair do time.
Responder
Distribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e Descartáveis
©2017 OBSERVATÓRIO DO FLUMINENSE
Os Woden