HOME|EM FOCO|Thiago D’Aguiar|"Meu sonho" (por Thiago D'Aguiar - "De Tricolor para Tricolor")
  • Thiago D’Aguiar
    Thiago D’Aguiar
    Administrador formado pela Universidade Veiga de Almeida, pai do Gabriel, marido da Nathália, amante de samba, pagode, carnaval e futebol. E, é claro, muito apaixonado pelo Fluminense!
Ver mais colunas
Distribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e Descartáveis
em foco • Por Thiago D’Aguiar • 07 jun 2018
"Meu sonho" (por Thiago D'Aguiar - "De Tricolor para Tricolor")

Todos nós temos sonhos.

Eu, por exemplo, sempre tive como dois dos meus maiores sonhos, ser jogador de futebol e presidente do Fluminense.

Infelizmente, não consegui ser jogador e não sei se um dia conseguirei ser presidente.

Acredito até que ser presidente do Fluminense seja o sonho de 9 em cada 10 tricolores.

Mas o que vemos atualmente, e numa projeção para 2019, é um cenário nada animador.

Vemos como possíveis candidatos pessoas que já participaram ativamente desta gestão mais do que danosa ao clube, que é a gestão da Flusócio. Pedro Antonio, Mário Bittencourt e Celso Barros coadunaram com tudo que foi feito nesses anos prejudiciais, apoiando e contribuindo diretamente para esse caos que estamos hoje.

Fica ainda pior se buscarmos num passado mais longínquo, tipo uns 50 anos, pois este cenário não melhora. Vemos um Fluminense sendo sistematicamente mal administrado, com presidentes incompetentes e, às vezes, aparentando estar mal intencionado, principalmente em relação ao futebol, se revezando e não querendo largar o poder nunca!

Quando pessoas de bem cogitam se candidatar a presidente do clube, acabam tendo suas reputações destruídas, nunca têm a chance de chegar à presidência e assim ajudar o FFC a voltar a crescer.

Por isso que um clube que era exemplo até o final dos anos 1960, ganhando até a Taça Olímpica por exemplo de administração, parou de evoluir e vive de acasos, como o nosso eterno Presidente Horta, do honrado Manoel Schwartz, o corajoso David Fischel ou de um patrocínio estilo Unimed.

Devido a tudo isso que o desencanto da torcida está cada vez maior. O clube que era o de maior número de títulos no Rio e que disputava segundo lugar em torcida com o CRVG nos anos 70, hoje amarga nas pesquisas uma posição que não condiz com o que já fomos um dia e onde poderíamos ter chegado.

Por tudo que foi apresentado acima, peço a reflexão do torcedor.

Não deixemos mais do mesmo assumir e continuar a acabar com o Fluminense.

Precisamos que surja um novo nome, de ideias inovadoras, visão de longo prazo, que altere o estatuto para que os próximos presidentes não tenham tanta autonomia como têm atualmente não permitindo que o clube cresça somente para manter seus feudos.

Que este novo nome possa servir para unir os melhores profissionais de todos os grupos políticos ou independentes em prol, única e exclusivamente, do Fluminense. Este é o meu sonho.

Saudações Tricolores.

VOLTAR PARA EM FOCO
Compartilhe
  • Googlemais
comente
Alisson - 08/06/2018 às 09h49
Belo texto. Identifiquei-me muito com suas palavras, penso que o Fluminense é vítima de más administrações, um clube com a história tão linda e exemplo vanguarda e pioneirismo no futebol nacional sendo vilipendiado sistematicamente. A torcida já não aguenta mais tantos exemplos de más condutas e administrações equivocadas, mal feitas, e suspeitas de favorecimentos pessoais. Fluzão guerreiro e bem administrado, só isso que a torcida precisa!
Responder
Distribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e Descartáveis
©2017 OBSERVATÓRIO DO FLUMINENSE
Os Woden