HOME|NOTÍCIAS|Foi o Sobrenatural de Almeida (Blog do Savioli - O'Tricolor)
Debate • Fonte: Blog do Savioli - O'Tricolor.com - Foto: Mailson Santana - Fluminense F.C. • 15 mai 2018
Foi o Sobrenatural de Almeida (Blog do Savioli - O'Tricolor)

Amigos, amigas, eu sempre digo que no futebol o resultado é apenas um dos indicadores de performance. Quem assistiu ao duelo de ontem entre Botafogo e Fluminense tem a exata dimensão do que quero dizer com isso.

O Fluminense já viveu alguns grandes momentos nessa temporada, mas andou perdendo qualidade nas apresentações, principalmente porque perdeu um dos seus pontos fortes, que é a transição ofensiva rápida e eficiente.

No jogo de ontem, o que mais chamou atenção no Fluminense foi a intensidade na marcação. O Fluminense de ontem me fez lembrar o time do Grêmio. Sem ter a mesma qualidade na posse de bola, porém mais vertical e incisivo nas ações ofensivas, o Fluminense apresentou um padrão muito próximo do que temos de melhor no Brasil atualmente: Grêmio e Corinthians.

Aliás, não por acaso, foram Grêmio, Corinthians e Fluminense os responsáveis pelos passeios do final de semana. E eu tive a felicidade de assistir, um pouco mais, um pouco menos, a todos. A diferença é que o Fluminense apresentou um futebol vistoso, com transições rápidas, passes de primeira, deslocamentos, triangulações curtas, que a defesa do Botafogo passou quase noventa minutos completamente baratinada.

A entrada do Luan Peres fortaleceu esse conceito de transição ofensiva. Sabe sair jogando. Porém, eu acho que, tirando a ação indelével do Sobrenatural de Almeida, só nos resta para explicar a derrota de ontem a falta de entrosamento de Luan Peres com Gum. Dois gols de cabeça que eu tenho quase certeza absoluta que não tomaríamos com o Frazan.

Paciência! Se jogarmos sempre como ontem, se jogarmos pelo menos 70%, vale a pena correr alguns riscos. Com Ibañez voltando, não sei, não. Renato Chaves que se cuide. Não que venha jogando mal, mas pelo estilo de jogo do Ibañez.

Abel já tem seu modelo de jogo consolidado e vai consolidando também as alternativas táticas. Terminamos o jogo de ontem num 2-4-4, com Jadson e Sornoza fazendo a armação por trás de Robinho, Pablo Dyego, Marcos Júnior e Pedro. O ponto altamente positivo é que essas substituições têm surtido efeito. Uma das explicações é que Robinho vem subindo absurdamente de produção. O time se revitaliza ofensivamente, ganha força, intensidade e renova a velocidade.

É por isso que não avalio elenco por preço e origem de jogadores. Quem vê Gilberto e Jadson jogando, dois jogadores que chegaram por aqui diante de olhares tortos, inclusive de minha parte, não encontra nexo entre ação e resultado. Os caras não perdem para ninguém em time nenhum do Brasil. Quem joga mais que Gilberto? O que foi o Jadson ontem?

Aí vem o Richard. Os Deuses hão de prover e vai chegar o dia em que nós não encheremos mais a boca para dizer que o Richard veio de contrapeso do Robinho, porque o Robinho ainda vai jogar tanta bola por aqui que nós vamos passar a ver o Richard como bônus de 100%. Mas é engraçado como a cada jogo você se pergunta se é isso mesmo. E o cara está lá comendo a bola, jogo sim, outro também. Nesse ritmo, Airton vai ser o banquinho de luxo da companhia.

Sornoza parece melhorar jogo após jogo. Agora anda com fome de fazer gols. Marcos Júnior ontem era algo inédito em campo. É bem verdade que nos momentos cabais do jogo o carequinha dava aquela engrossada. Mas tirando isso, eu tive que assistir ao jogo de babador, porque era tanta jogada bem feita, bem trabalhada, bonita, que até mesmo quando estávamos perdendo de 2 a 1 eu ainda estava em êxtase.

Eu tenho um hábito como analista, que eu trago de priscas eras, lá do começo da década. Aliás, antes mesmo de começar a assinar meu primeiro blog eu tinha essa conduta de não ter medo de opinar sobre os assuntos, mesmo quando contra a corrente. Lá na época áurea do Orkut, em 2009, eu passei meses sendo chamado de louco porque dizia que o Mariano era um baita dum jogador. É claro que ninguém enxergava isso, porque o time só perdia e jogava cada vez pior. Tudo dava errado, as jogadas do Mariano também. Mas hoje é o Marimito.

Recentemente, foi o Richarlison. Eu falava "Esse moleque ainda vai arrebentar" e as pessoas rolavam no chão de tanto rir. Hoje estamos todos com dor de corno porque o moleque saiu daqui por um valor muito abaixo do que poderia ter sido vendido.

Agora eu passo a bola para o Abel, que virou a piada da vez depois que disse que o Pedro está, tecnicamente, entre os cinco melhores centroavante do Brasil. Seria interessante se pudéssemos rever as ações do Pedro em campo ontem, para além do gol de peito, terceiro no campeonato em que também já contabiliza duas assistências.

O moleque é muito inteligente, técnico e rápido, pelo menos quando não tem aquelas recaídas e quer levar a bola para casa. Clareia as jogadas, trabalha bem em espaços curtos e ainda marca feito um bicho com aquelas pernas cumpridas que só de ver já dá nervoso no adversário.

Amigos, amigas, foram só cinco rodadas. A gente não sabe quem vai e quem fica na janela europeia. Se for, não sabemos quem chega. Nós temos o mesmo problema desde o início do ano. Sornoza e Pedro, se tiverem substitutos no atual elenco, nós ainda vamos descobrir. Se não é isso, continuamos precisando de duas contratações.

Por essas e outras, eu não me sinto seguro para fazer prognósticos. Isso só será possível após a janela. Além disso, no ano passado, em que pese a sequência de lesões, o trabalho de Abel foi perdendo qualidade durante o ano. Não é o que eu consigo antever a partir do estágio atual. Estamos em maio e o que vejo é o Fluminense evoluindo.

O que posso dizer é que a mensagem é de esperança. Agora, pelo amor de Deus, amigas, amigos, um pouquinho de oração não faz mal a ninguém, não é? Nas nossas duas melhores exibições no Brasileiro, contra Corinthians e Botafogo, duas derrotas pelo mesmo placar? Nossa posição na tabela é muito enganadora.

Saudações Tricolores!

Compartilhe
  • Googlemais
comente
©2017 OBSERVATÓRIO DO FLUMINENSE
Os Woden