HOME|NOTÍCIAS|Vitória mostra a possível existência de Deus (por Caio Barbosa - Facebook)
Debate • Por Caio Barbosa - Facebook - Foto: Lucas Merçon - Fluminense F.C. • 10 set 2018
Vitória mostra a possível existência de Deus (por Caio Barbosa - Facebook)

JC - O melhor JC de todos os tempos mostrava porque merece estar entre os melhores do campeonato brasileiro com mais uma série de defesas que nem ele acredita que faz. Saiu machucado para desespero da torcida. NOTA DEZ.

RODOLFO - Entrou para desespero da torcida e saiu consagrado após o pênalti defendido. Êxtase total - NOTA DEZ.

LEO - A primeira manifestação da existência de Deus. Uma espécie de Joseph Climber. Qualquer um de nós ficaria chateado, abatido, desmotivado, mas este é Leo, que há duas semanas não sabia jogar futebol e, desde a rodada passada, aprendeu. Não que tenha virado um Carlos Alberto Torres, mas já consegue pensar e correr ao mesmo tempo. Chega a dar gosto de ver a evolução do menino. NOTA CINCO.

GUM - Conquistou mais títulos que o Zico. NOTA DEZ.

DIGÃO -Qualquer um de nós ficaria chateado, abatido, desmotivado, mas o Fluminense tem DOIS Joseph Climber! Se Digão não for a prova definitiva da existência de Deus na Terra, não sei mais o que pode ser. Digão é um negão de tirar o chapéu. NOTA DEZ.

AYRTON BEIJINHO - Já deveria ter saído do time, mas o Fluminense não comportaria três Joseph Climber, pois o Marlon é a negação da vida. Um Bolsonaro na lateral-esquerda, o horror encarnado. Então, a solução óbvia é dar liberdade ofensiva ao jovem, mas o imbecil do treinador quer que ele marque. Aí, danou. NOTA TRÊS.

RICHARD - Os amigos dizem que ele não joga nada. Eu digo que ele é o melhor que nós temos na posição. NOTA SETE.

JADSON - Um jogador profissional que chuta mais fraco que a minha avó. Não dá. Coragem, homem. Vá ser gauche na vida. NOTA DOIS.

DODI AL FAYED - Sabe quando a gente vai em aniversário de criança, nêgo pede pra gente jogar bola com a molecada e tem um moleque que corre para caramba e bate a cabeça nas nossas canelas? Pois é esse menino. Este lenhador de bonsai jogou com vontade ontem. Bonito de se ver. NOTA SETE.

LUCIANO FOLHA SECA - Um jogador infinitamente melhor do que o vampiro equatoriano. Com ele em campo, parece até que temos um time de futebol, com defesa, meio-campo e ataque. NOTA QUATRO.

MARCOS JÚNIOR - Entrou em seu lugar e correu. É tricolor. Foi prejudicado pela entrada de Matheus Alessandro. NOTA SETE.

EVERALDO - É um Dodi Al Fayed com mais meio palmo de altura e muito mais feio. Correu, brigou, mostrou que está feliz no Fluminense. Tem vontade de ganhar. É ruim. Mas ruim eu também sou. É bonito ver a alegria do feioso comemorando a vitória na Parmê. Futebol tem sua graça, vai. NOTA SEIS.

Matheus Alessandro - Não é preciso ter bola de cristal. Na hora que este energúmeno entrou em campo, em vez do Pablo Dyego, eu olhei para o lado e falei: "vamos entregar o jogo ao Botafogo". Não deu outra. O Fluminense era senhor da partida e passou a deixar o adversário com a bola porque, mais uma vez, este jumento sem dente de ouro errava todos os lances. Não resta a menor dúvida que é o pior atleta de qualquer modalidade esportiva de todos os tempos. NOTA ZERO.

KAYKE - Só Deus para transformar esse menino em jogador. Ou o Abel. Vale lembrar que o Richarlison era um Kayke, o Henrique Dourado era um Kayke e o Pedro também era um Kayke. Abel transformou os três em jogadores. VOLTA, ABEL.  A nota? DOIS.

Compartilhe
  • Googlemais
comente
©2017 OBSERVATÓRIO DO FLUMINENSE
Os Woden