HOME|NOTÍCIAS|Sem esperanças para 2019 (por Cezar Motta - Sempreflu)
Debate • Por Cezar Motta - Sempreflu - Foto: Lucas Merçon - Fluminense F.C. • 05 dez 2018
Sem esperanças para 2019 (por Cezar Motta - Sempreflu)

Pedro Abad disse: “Para tristeza de todos e infelicidade geral da nação tricolor, digam ao povo que fico!”. Não vai renunciar. Ou seja, não temos direito a um minuto sequer de felicidade. Terminado o jogo contra o América-MG, já estamos com medo do rebaixamento no ano que vem.

Fatalmente, uma hora a casa cai. Agora, começaram a “planejar” o próximo ano, e o primeiro jogador acertado, segundo a mídia (tomara que dê errado), é um outro Caíque, reserva do Guarani, que fez apenas três gols em 20 jogos, e teria uma lesão crônica no púbis. Ou seja, pior não pode ser.

Já pensaram, uma dupla de ataque Caíque I e Caíque II? Embora esse risco seja mínimo, porque o Caíque II virá apenas para o Departamento Médico, já que chega com lesão crônica.

Mais dinheiro jogado no lixo. Ou sei lá aonde. Já estou até prevendo: Os salários terão média de atraso de três ou quatro meses, e serão pagos lentamente à medida que os garotos do excelente time Sub-17 forem sendo vendidos para sei-lá-aonde. E já sabemos: um empresário “amigo” vai antecipar o dinheiro, porque a “burocracia” vai atrasar ad eternum o pagamento.

Os jogadores que nos salvaram do rebaixamento neste sinistro 2018 serão todos mandados embora antes do Natal, e irão para a Justiça receber o que o clube não lhes pagou. Júlio César, Gum e Digão. Mais penhoras das nossas magras receitas para o ano que vem. O outro guerreiro, Richard, já foi.

“Ah, mas vamos ganhar na Justiça da DryWorld lá no Canadá e desse cartão Vale Express aqui no Brasil”, será uma das desculpas, um dos consolos.

Como aconteceu com o Mate Vitton, cujo dono nos esfregou várias vezes na cara: “Já paguei tudo o que devia ao Fluminense”.

Além das penhoras por JC, Gum e Digão, poderemos ter também as de Marcos Júnior, Richard, Marlon, Gilberto e sei lá mais quem.

A cereja do bolo seria a contratação do Ney Franco, que não tem a energia e nem o carisma necessários a um clube na situação do Fluminense. Do tamanho do Fluminense.

Eu preferia até a continuação do Fábio Moreno, que conhece a situação, os problemas do clube, pelo menos para o Campeonato Estadual. Sabe quem já pode ser puxado da base.

Pedro Abad vai ficar. Mas a verdade, amigos, é que não há nenhuma alternativa que nos dê alguma esperança. O Fluminense não tem quadros, não houve renovação e o clube perdeu credibilidade no mercado.

Compartilhe
  • Googlemais
comente
©2017 OBSERVATÓRIO DO FLUMINENSE
Os Woden